Osteoporose e a Tireoide – Qual a Relação Entre Elas?

Osteoporose e a tireoide

A relação entre a osteoporose e a tireoide é um assunto que gera muitas dúvidas. Para esclarecer todas elas, preparamos esse artigo que traz também outros aspectos que interferem na saúde dessa glândula.

Entendendo a osteoporose e a tireoide

Para entender a relação entre a osteoporose e a tireoide, o primeiro passo é saber que a osteoporose consiste numa doença que provoca perda acelerada de massa óssea, causando graves consequências, tais como quedas e fraturas de grande proporção.

Essa fragilidade óssea é ainda mais comum nas mulheres após a ocorrência da menopausa, quando os níveis de estrogênio (hormônio feminino) ficam menores. Essa baixa quantidade de estrogênio é o que aumenta os riscos de desenvolvimento de osteoporose especialmente nas mulheres.

Qual a relação entre a tireoide e a osteoporose

Os quadros de osteoporose e a tireoide estão relacionados tanto nos casos de hipotireoidismo quanto de hipertireoidismo. O hipotireoidismo acontece quando os hormônios da tireoide são produzidos em baixas quantidades. Já o hipotireoidismo é justamente o contrário, ou seja, quando a tireoide produz uma grande quantidade de hormônios.

Esses dois tipos de desequilíbrio interferem na função de reabsorção óssea. As reações provocadas pelo hipertireoidismo fazem que os ossos sofram um desgaste frequente, aumentando (e muito) os riscos de hipertireoidismo.

Já o hipotireoidismo pode provocar a osteoporose devido aos medicamentos que são ingeridos que têm por objetivo estimular a produção dos hormônios tireoidianos. Tudo isso significa que, quando os quadros de hipertireoidismo ou hipotireoidismo não são tratados da forma correta, é possível que ocorra a osteoporose.

Mulheres devem ficar atentas

A relação entre a osteoporose e a tireoide é ainda mais observada nas mulheres. Conforme já comentamos, pessoas do sexo feminino estão mais suscetíveis ao desgaste ósseo em virtude dos baixos níveis de estrogênio. Portanto, mulheres devem sempre estar atentas à saúde da tireoide para diagnosticar quadros de hipertireoidismo ou hipotireoidismo rapidamente.

Para isso, o indicado é que todas as mulheres (principalmente a partir dos 40 anos), façam exames da tireoide no mínimo 2 vezes ao ano (a cada 6 meses). Esse simples cuidado evita as consequências da relação entre a osteoporose e a tireoide.

Sintomas do hipertireoidismo

Para evitar as consequências da osteoporose e a tireoide alterada, é necessário que as pessoas estejam atentas principalmente aos sintomas do hipertireoidismo. Vejamos quais são eles:

  • Significativa perda de peso sem motivo aparente;
  • Fome constante;
  • Baixa tolerância ao calor;
  • Dificuldades para dormir;
  • Ansiedade frequente;
  • Irritação;
  • Quadros de diarreia (ou intestino solto);
  • Aumento da transpiração;
  • Ritmo cardíaco acelerado (palpitações);
  • Irregularidades no ciclo menstrual;
  • Bruscas mudanças de humor;
  • Olhos inchados;
  • Fraqueza muscular;
  • Tremores;
  • Queda de cabelo.

Para procurar um médico, não é necessário que todos esses sintomas se apresentem. Basta que um deles seja notado com certa frequência ou intensidade para marcar uma consulta médica e realizar os exames da tireoide. Esses exames são os de T3, T4 e TSH. Tais exames demonstram com exatidão como está o nível de hormônios tireoidianos.

Sintomas da osteoporose

Estar atento à relação entre osteoporose e a tireoide também requer prestar atenção aos sintomas da osteoporose. Vejamos quais são eles:

  • Deformidades ósseas (ainda que sutis);
  • Dores crônicas;
  • Encolhimento;
  • Fraturas nas vértebras, o que provoca também alterações respiratórias e gastrintestinais;
  • Redução na qualidade dos movimentos;
  • Aumento da incidência de outras doenças como, por exemplo, pneumonia.

 Causas e fatores de risco da osteoporose

Pelo fato de a osteoporose e a tireoide estarem relacionadas, além de prestar atenção nos sintomas do hipertireoidismo, é preciso considerar as causas e fatores de risco relacionados à osteoporose:

  • Histórico familiar de diagnóstico de osteoporose;
  • Pele branca;
  • Diagnóstico de doenças como diabetes, leucemia, linfoma ou artrite reumatoide;
  • Sedentarismo (falta de atividade física);
  • Fumantes;
  • Consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
  • Deficiência de cálcio no organismo;
  • Deficiência de vitamina D no organismo;
  • Uso de determinados medicamentos (inclusive aqueles que contêm hormônio tireoidiano).

Cálcio e vitamina D evitam a osteoporose?

Nem sempre. Devido à ligação entre a osteoporose e a tireoide, é possível que, mesmo ingerindo alimentos ricos em cálcio e vitamina D ou até mesmo fazendo uso de suplementos dessas substâncias, o quadro de hipertireoidismo não tratado ou excesso de medicamentos para hipotireoidismo acarretem a osteoporose. Portanto, além de buscar maneiras de ingerir quantidades adequadas de cálcio e vitamina D, é imprescindível cuidar da saúde da tireoide e do equilíbrio hormonal.

Outras formas de equilibrar a osteoporose e a tireoide

Osteoporose e a tireoide

Para evitar as consequências negativas da relação entre a osteoporose e a tireoide, é necessário adotar uma série de cuidados, que são:

Alimentação adequada

Para evitar ou tratar problemas na tireoide e reduzir os riscos de osteoporose, é necessário adotar uma alimentação saudável, rica em nutrientes que fortaleçam o organismo e contribuam para o equilíbrio hormonal.

A dica aqui é consultar um nutricionista para definir a melhor opção de cardápio de acordo com as condições de saúde. Cuidados simples com a alimentação proporcionam grandes resultados na prevenção e tratamento da osteoporose, assim como dos problemas que afetam a tireoide.

Uso de suplementos

É comum que médicos prescrevam suplementos vitamínicos e minerais para evitar a carência de determinadas substâncias no organismo. Esse equilíbrio contribui para evitar que os problemas hormonais causem grandes prejuízos ao organismo, inclusive aqueles relacionados à osteoporose e a tireoide.

Atividade física

Com a devida autorização médica, a prática de atividade física de acordo com as condições apresentadas por cada paciente é fundamental na prevenção e tratamento de problemas na tireoide e também da osteoporose. Além disso, os exercícios físicos contribuem para fortalecer o sistema imunológico, combater diabetes, prevenir colesterol, pressão alta etc. Essa soma de fatores faz que os pacientes tenham muito mais saúde e retomem, de forma gradativa, à qualidade de vida.

Exames médicos frequentes

Para avaliar a relação entre a osteoporose e a tireoide, é fundamental fazer exames médicos no mínimo a cada 3 meses para verificar os níveis de hormônios da tireoide e também de cálcio e de vitamina D.

Depois de ver tudo sobre a osteoporose e a tireoide, confira nossos artigos sobre a saúde dessa glândula, especialmente esse que trata de hipertireoidismo.

Imagens: pensabrasil.com / tuasaude.com