Hipotireoidismo Subclínico – O Que é, Diagnóstico, Tratamento

Hipotireoidismo subclínico

O termo hipotireoidismo subclínico costuma gerar muitas dúvidas em pessoas que tendem a ter problemas na tireoide ou que já são diagnosticadas com algum dos tipos de doenças que afeta essa glândula. Para saber todos os detalhes sobre esse termo e demais informações sobre a saúde da tireoide, confira nosso artigo.

O que é hipotireoidismo subclínico?

Antes de entender o hipotireoidismo subclínico é necessário relembrar que o hipotireoidismo consiste em uma das doenças mais comuns que afetam a glândula tireoide. Essa doença é caracterizada pela baixa produção dos hormônios tireoidianos, conhecidos como T3 e T4.

O hipotireoidismo subclínico é um quadro de hipotireoidismo brando. Isso faz que, mesmo que a glândula não esteja produzindo a quantidade adequada de hormônios, as pessoas não sintam os sintomas da doença, o que dificulta o diagnóstico e atrasa o tratamento. Embora esse hipotireoidismo em nível subclínico não apresente sintomas, as alterações já são notadas nos exames de sangue que medem os índices de T3, T4 e TSH (hormônio estimulante da tireoide que é produzido pela hipófise).

Como diagnosticar o hipotireoidismo subclínico?

Como o hipotireoidismo subclínico não apresenta sintomas, para diagnosticar essa doença é preciso que o paciente faça exames de sangue a cada 6 meses para verificar como está a produção dos hormônios da tireoide. Essa recomendação é ainda mais necessária nos casos de pessoas com maior tendência a desenvolver hipotireoidismo.

Causas e fatores de risco do hipotireoidismo subclínico

Vamos ver agora quais pessoas devem ter cuidado redobrado com relação aos exames da tireoide:

  • Mulheres;
  • Pessoas diagnosticadas com uma doença chamada de tireoidite de Hashimoto;
  • Pessoas que sofrem de doenças relacionadas ao sistema imunológico;
  • Pessoas que consomem poucos alimentos ricos em iodo;
  • Pessoas que sofrem de depressão e/ou que fazem uso de medicamentos ansiolíticos;
  • Pessoas com histórico familiar de problemas na tireoide (independentemente de qual seja);
  • Gestantes;
  • Homens e mulheres com idade igual ou superior a 40 anos;
  • Pessoas que já receberam algum tipo de radiação na região que fica na base do pescoço.

Independentemente de sentir ou não um ou mais dos sintomas do hipotireoidismo, a realização de consultas e exames médicos deve ser feita 2 vezes ao ano, preferencialmente acompanhadas por um médico endocrinologista.

Quais são os sintomas do hipotireoidismo

Ainda que o hipotireoidismo subclínico não apresente sintomas, é importante estar por dentro de todos os sinais que essa doença manifesta (com maior ou menor intensidade):

  • Constante cansaço e sensação de desânimo;
  • Sensação de já acordar cansado;
  • Quadros depressivos;
  • Aumento de peso sem motivo justificável;
  • Inchaço corporal;
  • Queda capilar;
  • Pele ressecada;
  • Sono constante;
  • Maior sensibilidade ao frio;
  • Dificuldades de crescimento (crianças);
  • Puberdade atrasada (adolescentes);
  • Alterações no ciclo menstrual;
  • Intestino lento (prisão de ventre, constipações, dificuldades para evacuar etc.);
  • Fraqueza muscular;
  • Metabolismo lento;
  • Aumento dos níveis de colesterol ruim (LDL);
  • Redução do desejo sexual;
  • Palidez;
  • Olhos inchados;
  • Rigidez nas articulações;
  • Ritmo cardíaco lento.

Observar a ocorrência desses sintomas também é de suma importância para identificar e tratar o hipotireoidismo antes que essa doença apresente maiores complicações.

Como é o tratamento do hipotireoidismo subclínico?

hipotireoidismo subclínico

Assim que confirmado o diagnóstico de hipotireoidismo subclínico, é necessário adotar uma série de medidas quanto ao tratamento, o que envolve:

Uso de medicamentos

Quando os hormônios da tireoide não são produzidos em quantidade suficiente, é necessário tomar medicamentos que façam essa reposição até que o organismo, aos poucos, recupere o equilíbrio. Os tipos de remédios, dosagens e tempo que deverão ser inferidos devem ser determinados pelo médico, de acordo com o nível de deficiência dos hormônios na tireoide.

Suplementação

Além dos medicamentos convencionais, para tratar o hipotireoidismo subclínico muitas vezes são recomendados suplementos com iodo e selênio, substâncias essenciais para manter os níveis certos de hormônios da tireoide.

Alimentação adequada

Pessoas que têm hipotireoidismo devem ter uma alimentação específica para estimular a produção dos hormônios T3 e T4. Inclusive, ao adotar essa dieta específica, é possível reduzir (com autorização médica) a quantidade de medicamentos ingeridos. Vejamos quais são os alimentos mais indicados para tratar o hipotireoidismo:

  • Peixes de água salgada (sardinha, atum, bacalhau, salmão etc.);
  • Camarão;
  • Frutos do mar;
  • Algas marinhas;
  • Castanha-do-pará;
  • Quinoa;
  • Leite e seus derivados;
  • Carne vermelha;
  • Gema de ovo;
  • Laranja.

Quais alimentos devem ser evitados?

  • Soja e seus derivados (leite, missô, shoyu, proteína de soja, tofu etc.);
  • Arroz branco;
  • Pão branco;
  • Macarrão tradicional;
  • Bolos com farinha de trigo;
  • Massas em geral (pizzas, lasanha etc.);
  • Alimentos processados (salame, mortadela, bacon, presunto etc.);
  • Café;
  • Determinados vegetais crus (brócolis, repolho, couve-manteiga, couve-flor, espinafre e mostarda);
  • Comidas gordurosas;
  • Doces em geral;
  • Bebidas alcoólicas.

Ainda sobre a alimentação, outra recomendação básica para quem sofre de problemas na tireoide é priorizar o consumo de alimentos orgânicos, ou seja, aqueles que não contenham qualquer tipo de agrotóxico ou defensivos agrícolas.

Atividade física

Os exercícios físicos são parte essencial no tratamento do hipotireoidismo subclínico. Além da atividade física combater a maioria dos sintomas dessa doença, tais como depressão, cansaço etc., as substâncias liberadas pelo cérebro durante os exercícios reforçam o sistema imunológico e contribui para o equilíbrio hormonal.

Desde uma caminhada simples a exercícios mais intensos como musculação, natação, futebol etc., todos são grandes aliados para a saúde da tireoide e também na prevenção e tratamento de doenças como diabetes, colesterol alto, hipertensão etc.

Exames frequentes

Todas as pessoas que apresentam hipotireoidismo subclínico necessitam de constante acompanhamento médico por meio de consultas e exames que demonstrem o nível dos hormônios T3, T4 e TSH. Isso é fundamental para garantir os bons resultados do tratamento e, aos poucos, adequar as dosagens de medicamentos.

Sessões de terapia

Diversas vezes, a causa central dos problemas na tireoide, inclusive do hipotireoidismo subclínico, está associada a fatores emocionais. Por esse motivo, todos os médicos recomendam apoio psicológico para identificar e tratar as emoções não trabalhadas.

Com o tempo, as sessões terapêuticas também contribuem para reduzir aos poucos os remédios ingeridos, fazendo que o paciente ganhe em saúde e qualidade de vida.

Depois de saber tudo sobre hipotireoidismo subclínico, veja nossos outros conteúdos sobre a tireoide, principalmente no que se refere ao hipotireoidismo.

Imagens: rsaude.com.br / tafitness.net